Não Pense. Viva.

Caros leitores, o texto que publico hoje não é meu, e sim de uma amiga. Decidi publicar, pois quando ela me mostrou tive vontade de sacudi-la. Não sei o que esse mundo anda fazendo conosco.  Vem criando fantasmas na cabeça das pessoas. Concorrência, pressão para perfeccionismo gerando sensações como a dela. Se formos ficar estancados com medo de nós mesmos nada irá a lugar algum. Nem a nossa a vida e nem o próprio mundo.

Minha intenção aqui é dividir a angústia da Mônica de Souza, a quem agradeço a liberação do texto, para exemplificar o tanto quanto alguém pode paralisar e colocar seu futuro em risco. Por favor, não façam isso consigo mesmos. Se entreguem a vida sem medo. Nada irá acontecer. Vocês não são Chapeuzinho Vermelho e o Lobo Mau não vai pegar-los. O máximo que pode acontecer são seus planos não darem certo e você ter que reformular-los. Só isso. Não irá virar vampiro, ou lobisomem, podem ficar tranqüilos (risos).

Repito, a vida voa, não percam tempo se joguem e vivam. Ninguém sabe como e onde irá acordar amanhã. Errou? E daí? Corrige. O mundo não vai acabar. E já parou para pensar que tudo pode dar certo? Por que paralisar? Por que pensar o pior? Não pense. Viva

Sufoco (Mônica de Souza)

Quero respirar não posso. Não sei o que acontece, mas tento e não consigo. Não, não tenho asma, ou qualquer outro problema respiratório. Mas quero respirar e não posso. Algo errado está acontecendo comigo. Não sei bem se é o calor infernal que vem fazendo, ou se é o excesso de informação em minha mente. Talvez a quantidade de coisas que necessito dar início e que me assombram.

Conheço-as muito bem, são minhas melhores amigas, por isso mesmo tenho a ansiedade de revê-las e ao mesmo tempo o receio de reencontrá-las e não serem mais as mesmas, terem mudado demais ao longo da vida.

Penso demais nisso, sinto como se meu cérebro fosse a qualquer momento congelar, como um computador. Não posso deixar que isso aconteça e tenho ciência, aí a falta de ar desce para o estômago. Total desconforto e confusão. Paralisação.

Vejo que ando, porém não enxergo os passos que dou. Vejo que por mais que queira desapegar e relaxar, a tensão é maior e vence meu organismo quase mandando em mim. Como se minha dona fosse. Isso me aborrece, pois sei que me deixa burra . Quero controlar e não consigo.

Sinceramente nem queria estar escrevendo isso, apenas o faço para ver se desato o no que me prende. Não sei de onde vem. Se, sei que posso, porque esse desespero? Por que essa estúpida falta de ar?Por que tamanha idiota insegurança? Basta começar. O que de pior pode acontecer? Não acontecer. E daí? Ficarei no mesmo lugar. Nada mudará. Então porque o medo?

Não sei, mas preciso saber como me livrar ou nada irá andar.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s