Amor… Sabe usar? Love Is In the Air – Paul Young

***Por Simone Sá Pinto

“Ainda que eu falasse, a língua dos homens, e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria…”

(Monte Castelo: Legião Urbana – Composição: Renato Russo, recortes do Apóstolo Paulo e de Camões)

Love is in the Air...

Sim, sem o amor nada seríamos. Porém em meu pensamento, para se obter o amor puro e sincero visitamos várias nuances.

Vamos aos questionamentos:

Poderíamos considerar amor, aquele que é grande, sufoca e chega à obsessão, nos tornando inseguros onde comecemos a perseguir a pessoa amada, lhe retirando sua possibilidade de viver?

Poderíamos considerar amor, aquele que de tão grande, nos cega em ciúme não deixando que a pessoa amada sequer se vista como gosta, saia com amigos, dance como gostava de dançar e assim por diante?

Poderíamos considerar amor, aquele onde sua mãe abre mão de sua vida pessoal, desejos profissionais, para cuidar de você, e depois ‘joga na sua cara’ quando você está grande, que fez tudo isso? Que hoje deve sua vida a ela? Que hoje, você não só, não se tornou no que ela sonhou para você, como ainda a fez jogar a vida dela fora?

Poderíamos considerar amor, todo aquele sentimento que ofertamos, e esperamos algo em troca por ele?

– Com certeza tenho minha opinião sobre esse assunto, mas prefiro lançar o seguinte trecho da Oração de São Francisco:

“Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.”

– Acho que já respondi. Ou não? Limito-me a dizer que sempre ouvi falar de um tal de “excesso de amor” como se isso fosse algo maravilhoso.

Sigo com outra pergunta:

Se você molhasse uma planta excessivamente. Ela viveria ou morreria?

***Fico por aqui hoje. “Love is in the air”!

Com vocês deixo como trilha sonora para o post, a musica ‘Love Is In the Air’, pois acredito que amor foi feito para ser jogado ao ar…

(Dedico esse post ao meu filho Lucio Maximo. Que ele possa manter o amor puro de uma criança, após conhecer a realidade da vida. Ele sim, conhece o amor. Me faz lembrar todos os dias como é a verdade desse sentimento. Obrigada meu filho. Te amo.)

Anúncios

2 Comentários »

  1. William said

    Olá Simone,
    Caramba, cada pergunta complicada para responder…
    Eu sou da opinião que tudo em excesso faz mal. Tudo mesmo!
    Acho que precisamos ter sabedoria e experiência suficiente para saber dosar o que encontramos em nossas vidas. No amor não seria diferente. Ciúme? Claro que tem que existir, senão como é que fica? Mas nada doentio e traumático.
    Parece piegas, e é..rsrs..mas sabendo usar não faltar. Nunca!
    Beijo e boa tarde.

    • Oi William, obrigada por ter deixado seu comentário. As perguntas são apenas para movimentarem nossos pensamentos. Por isso naquele dia disse que o amor era um caso a parte, usado no exagero pode fazer mal. Diferentemente da paz. Ciúme obviamente faz parte, mas sem exageros. Concordo contigo que tudo em exagero não funciona. Bj e obrigada por sua leitura e comentário.

RSS feed for comments on this post · TrackBack URI

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s